Ter uma aparência saudável não é apenas uma questão de vaidade. Afinal, alterações relacionadas à pele e aos dentes, por exemplo, podem receber prejuízos para a autoconfiança e a autoestima. Isso acontece porque o rosto é a parcela mais exposta do corpo, além de ser a mais observada e lembrada pelas outras pessoas.

Um problema de pele bastante comum e que afeta o bem-estar é a melasma, caracterizado pelo aparecimento de baldas escuras, principalmente no face. Apesar de ser uma condição benigna, ou seja, não estar relacionada ao aparecimento de câncer, o melasma pode acarretar sintomas negativos no paciente. Sendo assim, é importante diagnosticar o problema o mais rapidamente possível, a fim de erguer tratamento adequado e barrar a sua progressão.

O que é o melasma?

O melasma é um adultério de pele mais prevalente no sexo feminino do que masculino. Normalmente, a seu fato é na face, em locais como a maçã do rosto, região acima da boca (buço), testa e queixo. No entanto, também é possível que o melasma se manifeste no colo, nos braços, no pescoço e nas beiras. É possível constatar que as locais acometidos são aqueles expostos ao sol mais frequentemente. Esse problema é caracterizado por manchas que podem variar de coloração marrom claro até o escuro ou quase preto. catafalcos nódoas têm bordas irregulares, são reticuladas e mutilem acontecer dos dois faces do corpo, sendo simétricas. Porém, também é possível que o melasma apareça somente de um ângulo. Geralmente tem dimensão maior que um centímetro, podendo ocupar grandes extensões de áreas corporais.

Quais são as causas desse problema?

Apesar de ser uma problema bastante comum, ainda não há causa determinada para a melasma. Os especialistas acreditam que uma afim de fatores ambientais relacionados ao fator genético predispõem ao aparecimento da problema. Isso porque existem algumas pessoas com genes que determinam que a pele tenha maior facilidade para se manchar quando há interação com os agentes do ambiente.

Uma das causas externas é o revezamento hormonal, o que acontece quando a mulher alberga hormônios por meio dos comprimidos anticoncepcionais, repositores hormonais (devido a problemas de robustidão endócrinos ou após a menopausa, por exemplo) ou durante a gravidez. A luz do sol tem raios ultravioletas que são capazes de estimular os melancólicos, células da pele que são responsáveis pela pigmentação. Acredita-se que na melasma essas células produzam pigmento em excesso em algumas áreas do rosto, causando as manchas. É por esse motivo que pessoas que se declarem ao sol sem cobrimento são boas candidatas a desenvolver o problema.

Outro motivo que confirma a interação do sol é que, em personagens que já trataram as máculas, a exposição normalmente faz com que elas retornem. Por fim, a melasma também pode aparecer em doentes que tomaram sol de chapéu e com protetor solar. Isso porque o desnudamento da pele as altas temperaturas é capaz de empiorar o problema, mesmo que não haja contato com os raios ultravioletas diretamente.

Como é feito o diagnóstico?

Manchas no rosto podem pôr vários tipos de complicações, incluindo o melasma. É por essa escusa que, ao notar desnivela na coloração da membrana, deve-se procurar rapidamente um dermatologista. Esse profissional fará um análise minuciosa da pele e da história clínica do paciente, a fim de confinar se a mancha acastanhada é ou não melasma. Para tanto, pode-se usar a lâmpada de wood no consultório, visto que ela emite uma luz capaz de ajudar no diagnóstico, assim como outros aparelhos que aumentam a dom de visão da medicinal.

Após, o problema será classificado em:

  • Melasma epidérmico;
  • Melasma dérmico;
  • Ou melasma misto.

O melasma epidérmico, ou ligeiro, acomete apenas as células da camada protetora do pele, que está em contato com o ambiente. Sendo assim, é mais à-toa de tratar. Já a melasma dérmico é caracterizado por laivos que atingem camadas mais profundas da pele. Nesse caso, a derme, que é uma camada intermediária, sendo a alimentação mais difícil. na melasma misto, tanto a camada superficial quanto a assolapa são acometidas.

Existem fatores de risco relacionados?

Pessoas que se encaixam nos seguintes fatores estão mais propensas a desenvolver a melasma:

  1. Exposição frequente ao sol;
  2. Exposição ao calor constante;
  3. Uso de pílula anticoncepcional;
  4. Gravidez;
  5. Menopausa;
  6. Problemas hormonais;
  7. Tratamento de distúrbios endócrinos;
  8. Tom de pele escuro;
  9. História familiar de manchas na pele;
  10. Falta de uso de protetor solar.

Há tratamento efetivo?

Infelizmente, o melasma não tem cura. No entanto, atualmente existem diversas alternativas para amenizar o problema e escapar que as manchas se distendem para áreas maiores. Sem dúvidas, a primeira recomendação é usar defensor solar com fator de proteção alto durante todo o dia. afinal, mesmo que a criatura não se exponha diretamente ao sol, é possível que a luz dos ambientes e até dos aparelhos eletrônicos estimulem a melanócitos. Além. disso, deve-se refrescar a pele na atenderão para evitar o calor para tanto, é designado ter uma água termal sempre em mãos. o agasalho física contra o sol, com bonés, chapéus e viseiras, além disso é importante.

Para retirar as defedações existem algumas opções. É importante salientar que cada pele corresponderá melhor a uma abordagem. Dessa forma, é fundamental que o tipo de abordada seja indicado por um craque após análise do tipo de melasmaDentre. as opções existem as lasers, como o Spectra. atualmente, esse é um dos melhores para tratar a melasma, visto que ele tem alta afinidade com os pigmentos que formam as manchas.

Os peelings, feitos com substâncias combinadas com ácidos, são capazes de convalescer as camadas da pele e, assim, melhorar gradualmente a aparência das manchas. Outras feições de tratamento incluem cremes clareadores, microagulhamento, infusão de substâncias e outros. Apesar de não ter alvoreja, o melasma pode ser aplacado a ponto de ficar irreconhecível na pele. Sendo assim, caso surja alguma mancha, não deixe de procurar um médico dermatologista para iniciar os cuidados o mais antes do tempo possível. Além disso, independentemente da idade, não se esqueça de usar protetor solar todos os dias.

Para mais informações acesse: dermatologista em Belo Horizolnte

FONTE: https://www.terra.com.br/noticias/

FONTE: https://noticias.uol.com.br/

FONTE: https://www.estadao.com.br/mais-lidas