Transplantação capilar: o que é, como é realizado e resultados

O que é o transplantação capilar

 

Transplantação capilar é o técnica que realoca folículos capilares que não possui predisposição para calvície para a região que está calva. No momento em que os folículos são transferidos dessa forma, o cabelo volta a manifestar-se nessa setor. Este técnica é considerado a única saída definitiva para a calvície androgenética, aquela que é hereditária.

É fundamental realçar que calvície não é a mesma coisa que queda de cabelo. Lhe os fios não caem e efetivamente entram em um processamento de miniaturização – se tornando semelhantes aos pelos do frente fora da setor da barba, ou seja, bem pequenos e aproximadamente que imperceptíveis. Isto apenas acontece em pacientes predispostos geneticamente a este dificuldade, que é desencadeado pelos hormônios masculinos (a testosterona e seus derivados, essencial a di-hidrotestosterona, similarmente conhecida com DHT).

A DHT é cinco vezes mais poderoso que a testosterona e é o hormônio símbolo no começo da alopecia androgenética. O feito de que os receptores para esse hormônio não se encontrarem distribuídos da mesma maneira em todo o couro cabeludo explica os padrões de redução de cabelos. Dessa forma mesmo, o transplantação capilar retira fios dessa setor e os realoca nas regiões em que já houve miniaturização, uma vez que, por um razão também misterioso, estes fios não correm o perigo de similarmente passarem pelo processamento de metamorfose.

 

Autotransplante capilar

Várias indivíduos chamam o processamento de instituição capilar, o que é errado, já que o instituição julga a posto de um cabelo não natural na região afetada pela calvície e o transplantação capilar utiliza fios do próprio paciente.

Saiba mais: Diabete: quais os afazeres em procedimentos cirúrgicos?

Informações do transplantação capilar
O transplantação capilar pode ser realizado em qualquer indivíduo que sofra com alopecia androgenética e deseje ter de novo cabelo na região que está calva. Não obstante, é fundamental avaliar na consulta com o profissional em que estágio o processamento de calvície se encontra. Alguns especialistas preferem corporificar o técnica no momento em que ele está estabilizado.

Como é realizado o transplantação capilar
Há duas técnicas de transplantação capilar, a mais assente tragada de FUT ( abreviação inglesa para transplantação de elemento folicular) e a técnica que não pleito gilvaz simples tragada de FUE ( abreviação inglesa procedência de unidades folicular). Elas mudam, na verdade, a maneira como é afastamento a setor doadora nessa intervenção.

Na técnica assente FUT, uma banda de cabelo é removida da região de após da cogote, levada para microscópios de alta potencia e mudança e dividida em fatias finíssimas de pouco de 1 mm de encorpadura chamadas slivers, para por isso serem separadas em unidades foliculares de 1 cordão, 2 fios ou 3 fios.

Já na técnica FUE, o clínico remove de modo direto do couro cabeludo a elemento folicular pronta com punchs bem pequenos de 0,6 milimetros de diâmetro, que em seguida são levadas ao microscópio para serem lapidadas. A diferença entre as técnicas está apenas no forma de consumo das unidades foliculares, que depois de prontas serão transplantadas para a setor receptora a partir de micro incisões no couro cabeludo.
Setor doadora

A escolha da setor doadora é surpreendentemente cautelosa, já que se a calvície está no início, há o perigo de a região escolhida similarmente ter favoritismo à miniaturização dos fios, o que levará ao retorno do dificuldade. Para essa escolha, os especificações que são levados em conta são a porção de folículos com 3 fios na região, a distância dos folículos capilares e a flexibilidade desses fios, para que o resultado final seja uma setor mais aluvião.

Saiba mais: Conheça distintos tratamentos da calvície
Em maior parte, a região escolhida encontra-se bem próxima à cogote e a gilvaz formada no FUT é escondida pelos cabelos da região. Há até mesmo um processamento, conhecido por sutura tricofítica, em que os fios crescem na gilvaz, tornando-a também mais disfarçada. É comum que a gilvaz inicia fina, e com o tempo fique bem avermelhada, isto acontece mais ou pouco no alcoviteiro mês após a intervenção. Com o tempo, a tinta vermelha vai diminuindo, porém apenas passa mesmo depois de 2 anos, mais ou pouco.

Processamento da intervenção

Ao longo a cirurgia, no momento em que os folículos doadores são retirados, eles já são levados para sua divisão em unidades foliculares no mesmo hora, enquanto o clínico sutura a região. De acordo com são separados, eles são conservados em soro fisiológico, até o hora de sua realocação.
No momento em que a setor doadora é fechamento, cerca de 20% das unidades foliculares já está pronta e eles já começam a ser transplantados.

É realizada uma anestesia local, similar a usada em dentistas, e uma rápido sedação apenas para não ter qualquer constrangedor no hora da anestesia. No final do técnica o paciente já está completamente principiado.

Duração da intervenção

A intervenção com a técnica FUT dura entre 5 ou 6 horas, de acordo com as unidades foliculares obtidas. Já a técnica com FUE é mais demorada, levando de seis a 10 horas.
Quem é o profissional talhado a corporificar o transplantação capilar
Médicos, de preferência com caráter em intervenção plástica, uma vez que eles evidencia todo o entendimento da parte cirúrgica.
Pré-operatório do transplantação capilar
São realizados exames pré -peratórios básicos iguais a qualquer outro tipo de intervenção. Na técnica assente FUT não é preciso qualquer preparo para corporificar o técnica, já na técnica FUE é preciso espaldar com maquina 1 os cabelos da setor doadora.

Pós-operatório do transplantação capilar
Após a cirurgia pode ser dado um pulverizador fixador sui generis, que evita o utilização de bandagens. No dia posterior ao técnica o paciente retorna à clínica para limpeza dos cabelos e, a partir desse hora, está liberado para exercer as atividades normais do dia-a-dia, menos algumas restrições como, evitar o luz, praia, piscina, atividades físicas intensas e ter um atenção sui generis na limpeza dos cabelos. Cerca de 15 dias todos os fios transplantados cairão e não existirá mais nenhuma refreamento a qualquer exercício.

Resultados

Por volta de 3 a quatro meses os cabelos transplantados começarão a crescer e levará cerca de um ano para que se tenha o resultado final da intervenção. Porém esse desenvolvimento gradual dos fios auxilia a permitir um fachada completamente natural ao pós-operatório e até faz as indivíduos suporem que o paciente esteja tomando um remédio e não que tenha realizado uma intervenção.

O cabelo pode voltar a cair depois de o transplantação capilar?

Como o folículo transplantado não padece com a atuação do hormônio DHT, os fios transplantados não sofrem mais modificações. No entanto, nada impossibilita que mais folículos não transplantados e que estejam sujeitos a este processamento de miniaturização e com que a calvície continue avançando.

Possíveis problemas do transplantação capilar
A intervenção é minimamente invasiva, o que leva a poucas possíveis problemas. Entre elas, podemos enumerar: baixa globalização dos novos folículos ( especialmente em pacientes diabéticos e indivíduos que fumam bastante ), pequenas zonas de analgia e inchaço na gerência dos primeiros 3 dias após a operação.